Principais barreiras para a inclusão educativa e ensino de línguas estrangeiras a estudantes com deficiência visual no Paraguai

  • Lourdes Gabrielle Osuna Universidade Nacional de Assunção
  • Luís Eduardo Wexell-Machado Universidade Nacional de Assunção / Universidade Autônoma de Assunção

Resumen

O objetivo deste artigo é descrever informações coletadas de 27 profissionais que trabalham com aprendizes com deficiência visual – ADV – sobre as principais barreiras para a sua inclusão educacional e social, bem como o acesso ao aprendizado de línguas estrangeiras. Para isso, realizamos uma pesquisa exploratória, de abordagem qualitativa, com uso de enquetes e observação não-participante em três instituições de atendimento educacional especializado, localizadas em Assunção, Paraguai. Entre as barreiras apontadas por esses profissionais, destacam-se: o rechaço, o desinteresse e a falta de capacitação de professores regulares; a escassez de recursos nas escolas, a falta de apoio ou superproteção das famílias e; a assistência irregular às instituições especializadas. No que tange ao ensino de línguas estrangeiras, as dificuldades encontradas por eles versavam sobre a dificuldade de acesso a recursos instrucionais adaptados às necessidades dos ADV no país, sobretudo para o desenvolvimento e avaliação das destrezas de expressão e compreensão escritas dos aprendizes da língua.

Biografía del autor/a

Lourdes Gabrielle Osuna, Universidade Nacional de Assunção

O objetivo deste artigo é descrever informações coletadas de 27 profissionais que trabalham com aprendizes com deficiência visual – ADV – sobre as principais barreiras para a sua inclusão educacional e social, bem como o acesso ao aprendizado de línguas estrangeiras. Para isso, realizamos uma pesquisa exploratória, de abordagem qualitativa, com uso de enquetes e observação não-participante em três instituições de atendimento educacional especializado, localizadas em Assunção, Paraguai. Entre as barreiras apontadas por esses profissionais, destacam-se: o rechaço, o desinteresse e a falta de capacitação de professores regulares; a escassez de recursos nas escolas, a falta de apoio ou superproteção das famílias e; a assistência irregular às instituições especializadas. No que tange ao ensino de línguas estrangeiras, as dificuldades encontradas por eles versavam sobre a dificuldade de acesso a recursos instrucionais adaptados às necessidades dos ADV no país, sobretudo para o desenvolvimento e avaliação das destrezas de expressão e compreensão escritas dos aprendizes da língua.

Luís Eduardo Wexell-Machado, Universidade Nacional de Assunção / Universidade Autônoma de Assunção

O objetivo deste artigo é descrever informações coletadas de 27 profissionais que trabalham com aprendizes com deficiência visual – ADV – sobre as principais barreiras para a sua inclusão educacional e social, bem como o acesso ao aprendizado de línguas estrangeiras. Para isso, realizamos uma pesquisa exploratória, de abordagem qualitativa, com uso de enquetes e observação não-participante em três instituições de atendimento educacional especializado, localizadas em Assunção, Paraguai. Entre as barreiras apontadas por esses profissionais, destacam-se: o rechaço, o desinteresse e a falta de capacitação de professores regulares; a escassez de recursos nas escolas, a falta de apoio ou superproteção das famílias e; a assistência irregular às instituições especializadas. No que tange ao ensino de línguas estrangeiras, as dificuldades encontradas por eles versavam sobre a dificuldade de acesso a recursos instrucionais adaptados às necessidades dos ADV no país, sobretudo para o desenvolvimento e avaliação das destrezas de expressão e compreensão escritas dos aprendizes da língua.

Citas

Bibliografia

Andrade, P. (2010). Alumnos con deficiencia visual. Necesidades y respuesta educativa. Madrid, España O.N.C.E.
Araluce, H. A. (2002). Teaching english as a foreign language to blind and visually impaired young learners: the affective factor (Doctoral dissertation, Universidad de Castilla-La Mancha).
Bersch, R. (2008). Introdução à Tecnologia Assistiva. CEDI- Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil. Porto Alegre. Recuperado de: https://goo.gl/OQniXZ
Bishop, D., & Rhind, D. J. A. (2011). Barriers and enablers for visually impaired students at a UK Higher Education Institution. The British Journal of Visual Impairment, 29(3), 177–195.
Bishop, V. E. (2004). Teaching Visually Impaired Children (3rd ed.).Conroy, P. W. (2005). English language learners with visual Impairments: Strategies to enhance learning. RE:View: Rehabilitation Education for Blindness and Visual Impairment, 37(3), 101–109.
Cox, P. R., & Dykes, M. K. (2001). Effective classroom adaptations for students with visual impairments. Teaching Exceptional Children, 33(6), 68-74.
Conroy, P. W. (2005). English language learners with visual Impairments: Strategies to enhance learning. RE:View: Rehabilitation Education for Blindness and Visual Impairment, 37(3), 101–109.
Dantas, R. (2014). Ensinar a alunos com deficiência visual: conflitos e desenvolvimento. Universidade Federal da Paraíba. https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004
de Sá, E. D., de Campos, I. M., & Silva, M. B. C. (2007). Atendimento educacional especializado: deficiência visual. MEC, SEESP. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_dv.pdf
Donley, P. (2002). Teaching Languages to the Blind and Visually Impaired: Some Suggestions. Canadian modern language review, 59(2), 302-305.
Efstathiou, A., & Polichronopoulou, S. (2015). Teaching English as a Foreign Language to Visually Impaired Students: Teaching Materials Used by Teachers of English. Enabling Access for Persons with Visual Impairment, 67.
European Blind Union. (2010). Good Practice for Improving Language Learning for Visually Impaired Adults. Grundtvig project “Pedagogy and Language Learning for Blind and Partially Sighted Adults in Europe” pp. 1-37. Recuperado de: http://www.euroblind.org/sites/default/files/media/languages/Languages_EN.pdf
European Commission. (2005). Special Educational Needs in Europe: The Teaching and Learning of Languages: Insights and Innovation. Brussels: European Commission DG EAC.
Ferreira, A. M. (2014). Atividades de inclusão para alunos cegos e com baixa visão em aulas regulares de língua estrangeira. Dissertação de Mestrado. Universidade do Porto.
Gil, J. M., González, J., Osuna, V., Polo, D. C., & Vallejo, D. (2001). Guía para la atención educativa a los alumnos y alumnas con déficit visual.
Jordá, P. P. (2015). Programas de estimulación visual en atención temprana: intervención práctica. Integración, 65, 1–20. Recuperado de: http://files.sld.cu/bajavision/files/2015/05/6505-analisis-programas-estimulacion-visual.pdf
Ley N° 4251. Congreso de la Nación Paraguay, Asunción, Paraguay, 29 de Diciembre de 2010.
Ley N° 5136. Congreso de la Nación Paraguaya, Asunción, Paraguay, 23 de Diciembre de 2013.
Magalhães, G. M. (2009). A cultura de aprender E/LE do aluno cego: um olhar para a inclusão. Dissertação de mestrado em Linguística Aplicada, Universidade de Brasília.
McColl, H. (2005). Foreign language learning and inclusion: Who? Why? What? — and How? Support for Learning, 20(3), 103-108.
Milian, M., & Ferrell, K. A. (1998). Preparing Special Educators To Meet the Needs of Students Who Are Learning English as a Second Language and Are Visually Impaired: A Monograph.
Ministerio de Educación y Cultura. (2014). Actualización curricular del bachillerato científico de la Educación Media - Área: Lengua, Literatura y sus Tecnologías. Disponível em: https://www.mec.gov.py/cms_v2/adjuntos/9660
Morris, C., & Sharma, U. (2011). Facilitating the inclusion of children with vision impairment: Perspectives of itinerant support teachers. Australasian Journal of Special Education, 35(2), 191–203.
Motta, L. M. V. M. (2004). Aprendendo a ensinar inglês para alunos cegos e com baixa visão–um estudo na perspectiva da teoria da atividade. Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, PUC-SP.
Orsini-Jones, M. (2009). Measures for inclusion: Coping with the challenge of visual impairment and blindness in university undergraduate level language learning. Support for Learning, 24(1), 27–34.
Osuna, L. G. (2019). Inclusión educativa y enseñanza de lenguas extranjeras a alumnos con discapacidad visual: percepciones y experiencia de profesionales paraguayos. Mendeley Data, v1. 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.17632/fz89mk3232.1
Sánchez, A. V. (2009). La Enseñanza de español como lengua extranjera a estudiantes con deficiencia visual o ceguera: Propuesta didáctica de adaptación de actividades para el DELE A1.
Sapp, W., & Hatlen, P. (2010). The expanded core curriculum: Where we have been, where we are going, and how we can get there. Journal of Visual Impairment & Blindness, (June), 338–349.
Sassaki, R. K. (2005). Inclusão: o paradigma do século 21. Revista Inclusão, 1(1), 19-23.
Spungin, S. J., & Ferrell, K. A. (2007). The role and function of the teacher of students with visual impairments. Position paper. Arlington, VA: Division on Visual Impairment, Council for Exceptional Children.
Topor, I., & Rosenblum, L. P. (2013). English language learners: Experiences of teachers of students with visual impairments who work with this population. Journal of Visual Impairment & Blindness, 107(2), 79-91.
Publicado
2019-11-11
Cómo citar
Osuna, L. G., & Wexell-Machado, L. E. (2019). Principais barreiras para a inclusão educativa e ensino de línguas estrangeiras a estudantes com deficiência visual no Paraguai. RELEN, (2), 77-95. Recuperado a partir de https://relen.net.ar/index.php/RLN/article/view/14
Sección
Artículos